Até que você piscou e o inevitável aconteceu: seu bebê cresceu.

Tudo ia bem. O tão sonhado bilinguismo estava lá, se desenvolvendo lindamente no seu filho e você, mãe coruja e orgulhosa, sentia-se plena: aquele serzinho só falava com você em português, a cada pedido, a cada pergunta, a cada resposta. A outra língua ficava para ser usada com o papai, com pessoas que vinham visitar de vez em quando ou que vocês encontravam quando saíam para passear (em “passear” leia-se “sair de casa para fazer compras no mercado”) e o português, a SUA língua, tinha se tornado a NOSSA língua. Quase um código secreto que só vocês dois sabiam decifrar. Aconchego puro. 

Estava tudo indo muito bem, até que você piscou e o inevitável aconteceu: seu bebê cresceu. E deixou de ser bebê. Você fingiu que tudo continuava muito bem, obrigada, que o apertãozinho no coração quando você via uma foto dele bebezinho nem te atingia e que imagina-eu-não-sinto-saudade-dessa-época-era-muito-trabalho-agora-é-bem-melhor. Deus me livre, mas quem me dera. Agora, além de estar todo dono de si, o serzinho começa a ter compromisso todos os dias: o momento de entrar na escolinha chegou. Você, misto de orgulho e saudade, passa a conferir o relógio com mais frequência. Faltam três horas, faltam duas horas, falta uma hora e meia. Será que ele comeu? Será que chorou? Será que ele sentiu minha falta? Será que eu prefiro “sim” ou “não” como resposta à última pergunta? 

Correu tudo bem. A volta para casa é repleta de alívio e perguntas. Curiosidade é o que não te falta. E as respostas vêm. Mas vêm curtas. E… não vêm em português. Você suspira. Mas sabe que faz parte. A concorrência é desleal, eu sei. E sempre será. Mas a maternidade é sua. Se transmitir a língua portuguesa para o seu filho for uma decisão sua e você estiver disposta a se dedicar a isso, este será um jogo ganho. As ferramentas? A gente te dá. Como usá-las? A gente te explica. O resto você já tem. Você já viu uma mãe decidida, com uma ideia fixa na cabeça? Então você sabe do que eu estou falando. 

Queremos te ajudar a vencer esse desafio e propor ferramentas que te ajudem a promover o contato com o português da forma mais afetiva, carinhosa e saborosa possível! Se ninguém segura uma mulher segura, imagina quando elas resolvem se ajudar? 😉💋

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s