Brigadeiro, pão de queijo… por que é importante trazer elementos brasileiros para dentro de casa?

IMG_8734No último post da Ana, a gente pôde ver todo o cuidado que ela teve em trazer elementos da cultura brasileira para a festinha de um ano do Oliver. Mais do que agradar (e muito!) ao paladar, a presença de brigadeiros, pães de queijo e outros elementos típicos brasileiros vai contribuir bastante para a construção da identidade do Oli. Pode parecer que esses sejam somente detalhes, mas são coisas simples como essas que contribuirão para a presença da identidade e cultura brasileiras no desenvolvimento do nosso pequeno.

A identidade é um patrimônio valioso, ao qual muitas vezes não se dá o merecido reconhecimento, mas que acaba por surgir como questão fundamental quando nos deparamos com realidades distintas, ou seja, quando, por exemplo, nos mudamos para outro país e enfrentamos os chamados “choques culturais”. Como defendeu Lico (2015: 219), “a língua falada por um povo é parte da imagem que esse povo tem de si mesmo”.  E, em alguns casos, é mais significativa do que unidades políticas. Como foi, por exemplo, o caso da Alemanha, que embora só tenha se unificado como nação em meados do século XIX, já contava, há muitos séculos, com falantes que se consideravam “alemães” antes mesmo do surgimento desse país como Estado.

É inevitável que a identidade do indivíduo, ao mudar para outro país, sofra alterações e adaptações. Berry (1997) denomina esse processo de “aculturação”. Trata-se de um processo adaptativo de mudanças culturais e psicológicas, provocadas a partir da interação contínua do sujeito com a cultura de acolhimento, e envolve quatro diferentes contextos:

  1. a assimilação, em que o indivíduo opta por renegar sua própria identidade cultural em favor da do país de acolhimento;
  2. a integração, na qual o sujeito quer manter sua identidade cultural, mas também pertencer ao grupo social majoritário;
  3. a segregação, que se refere à falta de desejo de integrar-se à sociedade de acolhimento e à decisão de se manter somente as tradições representativas da identidade do país de origem;
  4. a marginalização, que envolve a perda total de contato com ambas as culturas, de origem e de acolhimento.

A ocorrência de um ou outro tipo de processo de aculturação dependerá das chamadas flacidade e plasticidades culturais do indivíduo. Aquele detentor da flacidade cultural irá assimilar, acomodar-se, imitar e não construir, enquanto se distancia de suas raízes. O sujeito usufruidor da plasticidade cultural, por sua vez, vê a cultura de acolhimento criticamente. O velho e o novo convivem, na identidade cultural do indivíduo, de forma simbiótica. É o que a gente pôde ver na comemoração do aniversário do Oliver: costumes alemães e brasileiros convivendo, harmoniosamente. Dessa forma, a diversidade cultural e linguística não é vista como um problema e, sim, como riqueza adicional.

Portanto, dedicar-se à aprendizagem de uma língua é mais do que desejar tornar-se proficiente nela. É desenvolver um sentimento de pertencimento a uma comunidade linguística, de forma emocional e identitária. É se apropriar de um legado cultural. Enfrentar o desafio de transmitir sua língua para seu filho no exterior requer a conscientização da influência que elementos culturais e identitários exercem no processo de aprendizado de uma língua. Restringir o ensino de uma língua a seus aspectos linguísticos é o maior erro a ser cometido.  

Por isso, mãos à obra! Tragam a culinária brasileira para dentro de casa, leiam histórias e cantem cantigas que marcaram sua infância, falem sobre o Brasil, expliquem sua história, valorizem sua cultura e, acima de tudo, mostrem os tantos aspectos positivos do nosso país para o seu pequeno. Esse mundo pertence a ele também e está apenas esperando para ser explorado!

E vocês? Como vocês “trazem o Brasil” para dentro de casa? Contem para a gente! Compartilhar sempre ajuda no surgimento de novas ideias! Vamos nos ajudar! =D

Escrito por Pri

Foram citadas as seguintes obras:

BERRY, J. W. Immigration, Acculturation and Adaptation. In: Applied Psychology: an international review, 46, 1997. (pp. 5-68).

LICO, A. L. Família, escola e comunidade no processo de ensino-aprendizagem de PLH: do começo ao fim. In: JENNINGS-WINTERLE, Felicia; LIMA-HERNANDES, Maria Célia (Org.) Português como Língua de Herança: a filosofia do começo, meio e fim. Brasil em Mente: New York, 2015. (pp. 216-228)

 

 

 

 

2 comentários em “Brigadeiro, pão de queijo… por que é importante trazer elementos brasileiros para dentro de casa?”

  1. Ótimo texto! Meus dois filhos nasceram na Alemanha. Sempre falei português com eles para que eles não aprendessem meus erros de alemão e sem nenhum sacrifício ,aprendessem minha língua materna.
    Há 25 anos criamos um grupo de mães e filhos que falassen a língua portuguesa, encontrávamos uma vez por semana para falarmos português e comermos quitutes brasileiros . Este grupo ainda existe e nós nos encontramos uma vez, por mês, mas sem os filhos; é claro. Agora os meus jovens aparecem ,somente ,uma vez por ano ” na Festa Junina. “E sempre acompanhados dos amigos que aprenderam gostar também da cultura brasileira.

    Curtir

    1. Olá, Marlene! Muito obrigada pelo seu comentário! Que história bacana a do grupo! 25 anos! Que trabalho maravilhoso. Esperamos que sua história e iniciativa inspirem outras mães pelo mundo! Deve ser MUITO gratificante ver seus filhos e amigos falando tão bem o português e apreciando a cultura brasileira. É de encher o coração de felicidade! =D Um abraço e esperamos que goste dos próximos textos!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s